Carlos Cidade debateu o futuro dos centros históricos na República dos Galifões

O vereador do Urbanismo da Câmara Municipal de Coimbra (CMC), Carlos Cidade, participou ontem na sessão “Há Futuro nos Centros Históricos?”, que decorreu na República dos Galifões. 

Numa data que assinala o Dia Nacional dos Centros Históricos, Carlos Cidade manifestou o seu agrado pela preocupação demonstrada pelos repúblicos em relação aos Centros Históricos.

O autarca não tem dúvidas de que o futuro do Centro Histórico de Coimbra ficou ainda mais garantido desde que a Universidade de Coimbra, Alta e Sofia foram integradas na lista de Património Mundial da UNESCO. Contudo, “essa medida veio colocar à Câmara e à Universidade um conjunto de responsabilidades acrescidas relativamente à sua reabilitação e manutenção do seu traço e também veio criar uma maior pressão, mais visível nestes últimos 2/3 anos”, salientou. 

Segundo Carlos Cidade, o grande problema dos centros históricos, como o de Coimbra, passa pela dificuldade em fixar residentes. Ainda assim, “a Câmara, em parceria com os privados, tem procurado realizar um conjunto de ações de reabilitação do edificado” que possam atrair novos moradores. 

Inquirido pelos “Galifões” sobre a possibilidade de instalar painéis solares nas repúblicas, o que permitiria melhorar o conforto e eficiência energética, Carlos Cidade alertou para a necessidade de cumprimento das normas impostas pela UNESCO, aquando da atribuição da classificação de Património Mundial. 

Quanto à recolha do lixo e limpeza das ruas, o autarca afirmou que a CMC tem introduzido algumas medidas no sentido de melhorar o serviço prestado. Carlos Cidade adiantou que o Município, para além de se ter candidatado a fundos comunitários para a aquisição de veículos elétricos de pequenas dimensões, também vai retomar uma medida adotada noutros tempos nos serviços de higiene, que passa por ir recolhendo algum do lixo que se encontra nas ruas, através de um ou dois funcionários que as percorrem, para além da recolha horária previamente estabelecida.

As pichagens de que os edifícios têm sido alvo, foram outro dos temas abordados na conversa com os repúblicos. Carlos Cidade respondeu a todas as questões colocadas, procurando esclarecer. Por um lado, referiu o papel das forças de segurança e as contraordenações previstas. Por outro lado, indicou que já foram dadas orientações aos serviços camarários para obstar a esta atividade, o que implica investimento em materiais e mão-de-obra. 

O Dia Nacional dos Centros Históricos comemora-se anualmente a 28 de março, na data do nascimento de Alexandre Herculano, seu patrono. Foi formalmente criado em 28 de março de 1993, sendo rapidamente adotado pela maioria das autarquias portuguesas com centro histórico.

Fundada em 1947, a República dos Galifões é uma casa de estudantes do ensino superior da cidade de Coimbra e prima por um ambiente de amizade e pluralidade, onde todos são bem-vindos.